About




Breve histórico


O Grupo Bordelando é formado por 50 mulheres com idade entre 30 e 80 anos, em sua maioria professoras que trabalharam algum tempo numa mesma escola ou fizeram outras atividades juntas ao longo destes 40 anos de convivência.

O início do grupo se deu em 2002 quando 17 mulheres aposentadas, em sua grande maioria, professoras do ensino de artes visuais, música e teatro sentiram a necessidade de produzir alguma coisa que sintetizasse a suas vivências de ensino de arte, fazeres artísticos, a amizade construída ao longo dos anos e que fosse prazerosa.

A idéia de cada uma bordar imagens isoladas e ajuntá-las numa colcha foi o passo inicial. O resultado visual foi tão bom que fizeram uma exposição no Espaço Cultural 508 Sul, Galeria Darlan Rosa, em julho de 2006. Durante esta exposição realizaram uma oficina de bordados que trouxe mais 20 pessoas, formando o Bordelando II. Hoje são quatro grupos.

Em maio de 2008 foi realizada a segunda exposição no Espaço Cultural 508 sul, Galeria Parangolé: Idas e Vindas.

Há um convênio com a ONG Aconchego, que trabalha com aconselhamento à adoção de crianças. Esta ONG recebe uma porcentagem do que se vende e o grupo confecciona colchas e almofadas para cada criança levar consigo como propriedade sua, quando é adotada.

Algumas oficinas de bordado com crianças foram realizadas fora de Brasília, com o objetivo de promover o gosto pelos fazeres artísticos, trabalho comunitário e atividade ocupacional. O Bordelando acontece também em Tipi – Município de Aurora no Cariri cearense e no Jardim do Ingá, Goiás.

A utilização dos materiais disponíveis, a ausência de uma técnica pré­determinada para o feitio do bordado e a disposição para tornar aquele ato de encontro entre mulheres mais do que apenas uma forma de rebeldia ou submissão, transforma, também, a atitude desse grupo de amigas uma produção artística impar na atualidade. Trata-se de uma manifestação do coletivo no individual e do individual no coletivo, na produção de cada peça, em que todas devem sempre, obrigatoriamente, participar, impregnando o fazer artístico de sentimento e de vida.